terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Soneto - Pedro D´ Alcantara

No exílio é que a alma vive da lembrança,
Numa doce saudade enternecida,
Tendo chorosa a vista que se cansa
De procurar a pátria estremecida;

Com dolorosas lágrimas avança,
Do sonho que teceu e amou na vida,
Para a morte, onde tem sua esperança,
Na celeste ventura prometida.

E Deus, que os orbes cria, generoso,
Na vastidão dos céus iluminados,
Concede a paz ao triste e ao desditoso

Na clara luz dos mundos elevados,
Onde, do amor, reserva o eterno gozo
Para as almas dos pobres desterrados.

Pedro D´ Alcantara
Do livro Parnaso de Além-Túmulo.
Psicografia de Francisco Cândido Xavier.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...