segunda-feira, 16 de junho de 2014

A luz e o silêncio

O Mestre que nos recomendou situar a lâmpada sobre o velador, também nos exortou, de modo incisivo:
– “Brilhe a vossa luz diante dos homens!”


Conhecimento evangélico é sol na alma.
Compreendendo a responsabilidade de que somos investidos, esposando a Boa Nova por ninho de nossos sentimentos e pensamentos, busquemos exteriorizar a flama renovadora que nos clareia por dentro, a fim de que a fé não seja uma palavra inoperante em nossas manifestações.
- Onde repontem espinheiros da incompreensão, sê a bênção do entendimento fraterno.
- Onde esbraveje a ofensa, sê o perdão que asserena e edifica.
- Onde a revolta incendeie corações, sê a humildade que restaura a serenidade e a alegria.
- Onde a discórdia ensombre o caminho, sê a paz que se revela no auxílio eficiente e oportuno.
Não olvidemos que a luz brilha dentro de nós.
Não lhe ocultemos os raios vivificantes sob o espesso velador do comodismo, nas teias do interesse pessoal.
Entretanto, não nos esqueçamos igualmente de que o sol alimenta e equilibra o mundo inteiro sem ruído, amparando o verme e a flor, o delinqüente e o santo, o idiota e o sábio em sublime silêncio.
Não suponhas que a lâmpada do Evangelho possa fulgurar através de acusações ou amarguras.
Enquanto a ventania compele o homem a ocultar-se, a claridade matinal, tépida e muda, o encoraja ao trabalho renovador.
Inflamando o coração no luzeiro do Cristo, saibamos entender e servir com Ele, sem azedume e sem crítica, sem reprovação e sem queixa, na certeza de que o amor é a garantia invulnerável da vitória imperecível.

(Do livro “Abrigo” - Emmanuel & Francisco Cândido Xavier)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...