terça-feira, 22 de julho de 2014

Convite à Meduinidade

Médiuns e mediunidades.
Médiuns todos somos, e mediunidades possuímos todos nós.
Aprimorá-las ou descurá-las, relegando-as a plano secundário, é responsabilidade que cada um exerce mediante o próprio arbítrio.
A argila maleável nas mãos de oleiro é a médium do vaso.
O ferro em ignição, na bigorna e malho do operário, é médium da forma que plasma.
Deixando-se conduzir pelas mãos do Operário Divino, o homem modela e executa as construções mentais superiores, tornando-se cooperador da Obra de Nosso Pai.
Recalcitrante à inspiração elevada deixa-se, maleável, arrastar por outras ondas de pensamento,colaborando , às vezes, inconscientemente na formação das paisagens de dor, de sombra e de desdita para os outros como para si mesmo.
a verdade é que todos estamos interligados, em ministério mediúnico ativo, incessante, graças aos múltiplos dons de que nos achamos investidos.
Vinculados espírito a espírito pelo impositivo da evolução, desde que constituímos famílias que formam grande família universal, sintonizando-nos reciprocamente pelas afinidades e aptidões, ideais e desejos em conúbio imenso, certeza de que somente o amor consegue os objetivos elevados, libertadores.
Assim sendo, medita nas possibilidades mediúnicas de que te encontras possuído e eleva-te pelo exercício das ações nobilantes, de modo a desdobrares os recursos positivos na realização do bem a que o Senhor a todos nos convoca.
Certamente uns estão mais bem aquinhoados pela faculdades mediúnicas que lhes são concedidas para o própria edificação à luz consagradora da Doutrina Espírita, que é a única diretriz segura com Jesus para o ministério abençoado de iluminação na Terra.
Se, todavia, não experimentares os sintomas mais evidentes da mediunidade, transforma-te espontaneamente em instrumento de amor e acende a lâmpada do auxilio fraternal no coração, a fim de que a caridade te transforme em médium da esperança entre os que aspiram a um mundo renovado e ditoso para o futuro, desde hoje.

Joanna de Ângelis / Divaldo Pereira franco

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...