sexta-feira, 29 de abril de 2016

A Fé é a Única Coisa Que Não se Apaga - Bezerra de Menezes


Diante de um jardim belo, coberto de roseiras perfumadas, o dono do jardim as espera florescer.. Não pensa na quantidade enorme de espinhos que seu tronco possui, toma cuidado com eles, mas espera o florir das rosas. Quando uma única rosa brota, enfeitando toda aquela roseira cheia de espinhos, o dono do jardim olha, avidamente, outros que podem surgir, sabendo que serão rosas a enfeitar amanhã.
Nós trazemos cravados na alma muitos espinhos do ontem, mas somos rosas, na essência sublime de Deus; nós também vamos florir em alegria. Se essas alegrias são poucas e as dores são muitas, alegrias aconteceram em nossas vidas e alegrias acontecerão sempre. Mesmo que sejam momentos, dias, algum tempo, mas como as roseiras, o sorriso brota, a paz chega e nós nos transformamos num canteirinho de paz.
Mas, existe o tempo, às vezes longo, em que só permanecem espinhos, o vendaval da dor assola e as pétalas de nossas esperanças, de nossas alegrias, caem pelo chão. Mas, não devemos nos esquecer de que essas pétalas caídas, serão adubo amanhã. Esse adubo precioso que mantém nosso espírito vivo, que mantém a roseira forte, que mantém a possibilidade de ela florir.
Nós trazemos muitos compromissos assumidos de vidas passadas, não podemos deixar que o desânimo, a tristeza, a desesperança nos domine. Porque só receberemos, realmente, um auxílio completo, à medida em que tivermos total confiança no alto. Aí sim, será possível Jesus nos estender as mãos e nós, desse amor imenso, desse grande médico de Deus que foi o mestre, recebermos a ajuda de que precisamos, lembrando de que toda a dor é cura para nossos corações, que toda separação é prognóstico de união, que todas as experiências são bênçãos preciosas que amealhamos no espírito.
Por isso, mantenham a chama da fé sempre acesa. A fé é a única chama que não se apaga nunca.

Bezerra de Menezes


Em Busca da Felicidade - Sergito de Souza Cavalcanti


Temos que convir que passamos por momentos muito difíceis em nossa jornada terrena. Às vezes, a vida se nos apresenta como um grande espinheiro, colocando em prova nossa fé e paciência.
Momentos há em que tudo e todos estão contra nós, momentos de céu cinza, carregados de nuvens negras e ameaçadoras. Tempestades de problemas nos envolvem e nos exigem soluções rápidas e difíceis. A dor passa a ser nossa companheira de todas as horas.
É, entretanto, na hora da tempestade que temos de segurar nas mãos de Deus, nos estregando a Ele, pois Ele conhece as dores e as mágoas que nos afligem. A vida jamais coloca sobre nossos ombros uma carga que esteja acima de nossa capacidade de resistência. São nestes momentos difíceis que surgem grandes oportunidades de crescimento.
Tenhamos a certeza de que tudo passa em nossas vidas. Tudo tem começo e fim. Se recordarmos, verificaremos que já passamos por inúmeras experiências muito difíceis e superamos todas. Com Deus, nada nos é impossível.

Na Forja da Vida - Emmanuel

"Entrai pela porta estreita porque
larga é a porta da perdição e espaçoso
o caminho que a ela conduz e muitos
são os que entram por ela."
(Jesus, Mateus, 7:13).

"Larga é a porta da perdição porque
são numerosas as paixões más e porque
o maior número envereda pelo caminho
do mal."
(Alan Kardec. E.S.E, Cap. XVIII, 5)


Trazes contigo a flama do ideal superior e anelas concretizar os grandes sonhos de que te nutres, mas, diante da realidade terrestre, costumas dizer que a dificuldade é invencível.
Afirmas haver encontrado incompreensões e revezes, entraves e dissabores, por toda a parte, no entanto...
O pão que consomes é o resumo de numerosas obrigações que começaram no cultivo do solo; a vestimenta que te agasalha é o remate de longas tarefas iniciadas de longe com o preparo do fio; o lar que te acolhe foi argamassado com o suor dos que se uniram ao levantá-lo; a escola que te revela a cultura guarda a renunciação de quantos se consagram ao ministério do ensino; o livro que te instrui custou a vigília dos que sofreram para fixar, em caracteres humanos, o clarão das idéias nobres; a oficina que te assegura a subsistência encerra o concurso dos seareiros do bem, a favor do progresso; o remédio que te alivia é o produto das atividades conjugadas de muita gente.
Animais que te auxiliam, fontes que te refrigeram, vegetais que te abençoam e objetos que te atendem, submetem-se a constantes adaptações e readaptações para que te possam servir.
Se aspiras, desse modo, à realização do teu alto destino, não desdenhes lutar, a fim de obtê-lo.
Na forja da vida, nada se faz sem trabalho e nada se consegue de bom sem apoio no próprio sacrifício.
Se queres, na sombra do vale, exaltar o tope do monte, basta contemplar-lhe a grandeza, mas se te dispões a comungar-lhe o fulgor solar na beleza do cimo, será preciso usar a cabeça que carregas nos ombros, sentir com a própria alma, mover os pés em que te susténs e agir com as próprias mãos.

Emmanuel / Francisco Cândido Xavier

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Confiança - Emmanuel

Toda a nossa vida se baseia na confiança.
Ninguém caminha sem testemunho de fé.
O lavrador confia no solo e cultiva a sementeira que que o mundo nos concita a
desempenhar. lhe assegura a colheita.
O oleiro confia no barro e plasma nele o vaso precioso que lhe garante a
subsistência.
O artífice confia na matéria prima e dela retira a utilidade indispensável à
civilização.
Nos mínimos atas da experiência comum, sustentamo-nos simplesmente pela fé.
Confiamos no aparelho gastrointestinal e alimentamo-nos, segundo as necessidades
que nos são próprias.
Confiamos nos braços e devotamo-nos à tarefa a que todo mundo nos concita a
desempenhar.
Confiamos na segurança dos pés e tornamos a direção de que carecemos para a
desincumbência de nossos próprios deveres.
Confiamos no cérebro e usamo-la nas mais complicadas operações mentais, na
extensão progresso comum.
Assim pois, em nos reportando aos problemas da sublime virtude, é imprescindível
estabelecer a confiança em nós mesmos.
Decerto, não podemos dispensar a Proteção Divina nos menores empreendimentos
de cada dia, entretanto, não podemos olvidar o imperativo da fé em nossa própria capacidade
de criar o bem e estendê-la.
Levantemo-nos na senda que nos cabe trilhar e recordemos o tesouro das
oportunidades que brilham em nossas mãos.
O tempo, a saúde, o equilíbrio e o conhecimento são recursos básicos que nos
compete mobilizar no do aproveitamento das bênçãos divina?
Desfaçamos a neblina da hesitação e da dúvida, ao redor de nossos passos, e
cumpramos nossas obrigações com a Vida Superior.

Efetivamente é natural mantenhamos nossa fé viva em Jesus, na preservação do
nosso próprio conforto, entretanto, é preciso não esquecer que Jesus, por sua vez, guarda a sua
fé em nosso concurso para que se lhe materialize, enfim, na Terra, o reino da Paz e do Amor
para sempre.

Emmanuel
De Aulas da Vida – Emmanuel / Francisco Cândido Xavier


Doentes - Scheilla

Há doentes de várias espécies e que portam enfermidades pelo prazer de as carregar.
Senão, vejamos:
o invejoso é doente contumaz do coração;
o maledicente é doente pertinaz da língua;
o caluniador é doente do espírito;
o despeitado é doente do sentimento;
o malicioso é doente da virtude;
o negligente é doente do dever;
o avaro é doente da bondade;
o déspota é doente da afeição;
o mentiroso é doente do equilíbrio.
Muitos são infelizes porque não querem libertar-se das doenças.
Alguns possuem achaques e dores porque dispõem de horas vazias e possibilidades mal aplicadas.
Uns e outros constituem a grande legião que bate à porta do Evangelho a pedir, mas não abrem a porta do coração para o Evangelho entrar.
Aquele que em Jesus encontrou a porta, penetre-a, siga-O e assim preserve-se do mal.

Scheilla / Médium Divaldo Pereira Franco
Livro: Sementes de Vida Eterna (extrato) - Ed. Alvorada

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Reprogramação - Hammed


Nasceste no lar de que precisavas.
Vestiste o corpo físico que merecias.
Moras no melhor lugar que Deus poderia te proporcionar, de
acordo com teu adiantamento.
Possuis os recursos financeiros coerentes com as tuas necessidades; nem mais nem menos, mas o justo para as tuas lutas terrenas.
Teu ambiente de trabalho é o que elegeste espontaneamente para a tua realização.
Teus parentes e amigos são as almas que atraíste com tuas próprias afinidades.
Portanto, teu destino está constantemente sob teu controle.
Tu escolhes, recolhes, eleges, atrais, buscas, expulsas, modificas tudo aquilo que te rodeia a existência.
Teus pensamentos e vontades são a chave de teus atos e atitudes, são as fontes de atração e de repulsão na tua jornada vivencial.
Não reclames nem te faças de vítima. Antes de tudo, analisa e observa. A mudança está em tuas mãos.
Reprograma tua meta. Busca o bem e viverás melhor.


Médium: Francisco do Espirito Santo Neto

Diante do Destino - Joanna de Ângelis


Equivocado o ensino de que a "sorte é responsável pelo destino de cada homem".
Absurda a teoria em torno dos que devem irremissivelmente "sofrer desgraças".
O destino individual resulta dos atos de cada criatura. Por isso mesmo, a todo instante, sofre ela injunções positivas e negativas que lhe alteram a planificação.
Querer ou não querer, esforçar-se ou não pelo triunfo pessoal, depende de cada aprendiz da vida.
Não transfiras culpas, escudando-te no destino, ou no propelimento da natureza íntima, ou nos fatores circunstanciais...
Acumpliciamento com o mal é afinidade para com ele. Sintonia com o bem é sede de amor e ânsia de felicidade.
Lição é prêmio da vida, como a experiência representa aquisição preciosa do esforço pessoal, intransferível.
De forma alguma desistas de lutar, de tentar em esforço de reabilitação, de repetir a tarefa até lograr a vitória.

Livro: Leis Morais da Vida
Joanna de Ângelis / Médium Divaldo Pereira Franco

Perseguidos - Emmanuel


Batido no ideal de bem fazer, desculpa e avança à frente.
Açoitado no coração, enxuga as lágrimas e segue adiante.
Lembra-te dos perseguidos sem causa, que se refugiaram na paz da consciência, em todas as épocas.
Sócrates bebe a cicuta que lhe impõem à boca; entretanto, ergue-se à culminância da filosofia.
Galileu, preso e humilhado, desvenda ao homem novo olhar do Universo.
Entre os perseguidores, contam-se os obsidiados, os depravados, os infelizes e os criminosos, que descem pelas torrentes do remorso para a necessária refundição mental, mas, entre os perseguidos, enumeram-se quase todos os que lançam nova luz sobre as rotas da vida.
É por isso que Jesus, o Divino Governador da Terra, preferiu alinhar-se entre os escarnecidos, de maneira a estender a glória do amor e a força do perdão, para que se aprimore a Humanidade inteira.

Livro: Religião dos Espíritos
Emmanuel / Médium Francisco Cândido Xavier

segunda-feira, 25 de abril de 2016

A Mensagem Cristã - Emmanuel

O Senhor desce da Altura a fim de libertar o coração humano para a sublimidade do amor e da luz.
O Mestre não exige que os banais se façam heróis ou santos de um dia para outro.
Dirige-se a palavra d'Ele à vida comum, aos campos mais simples do sentimento e experiências de cada dia.
Convida as criaturas a levantarem o santuário do Senhor nos próprios corações.
Ama a Deus ensinava Ele com toda a tua alma, coração e entendimento.
Ama o próximo como a ti mesmo.
Perdoa quantas vezes forem necessárias.
Ora pelos que te perseguem e caluniam.
Bendize aquele que te amaldiçoa.
Liberta e serás libertado.
Dá e receberás.
Diante desses apelos, calam-se gradativamente as vozes que mandam revidar e ferir! ...
E a palavra de Cristo sobe e cresce na acústica do mundo, preparando o homem para a soberania do Amor Universal.

Emmanuel / Médium Francisco Cândido Xavier
Livro: Roteiro (extrato) - Ed. FEB

Paradoxos - Joanna de Ângelis

Anotas os avanços tecnológicos e as injustiças sociais em que se debate a sociedade.
Vês as relevantes aquisições da mente e a beligerância dos homens e das nações.
Falas sobre os paradoxos, os contrastes, e tens a impressão de que o bem não se implantará tão cedo nos corações.
Concluis que é mais fácil debandar do que servir, cair do que soerguer.
Não duvides da excelência da verdade nem do seu domínio no mundo do amanhã.
Um jato de luz absorve a treva...
Uma fagulha ateia um fogaréu...
Uma semente reverdesce o solo...
Um gesto de amor altera a agressividade...
O poder do bem produz um contágio superior, que consome as infecções problemáticas das injunções morais vis.
Quando, porém, a razão não lograr mudar a atitude do homem perante a vida, ou o amor não o sensibilizar, paradoxalmente, a dor irá detê-lo, chamá-lo à razão, despertar-lhe o amor, atraí-lo à paz.

Livro: Rumos Libertadores - Joanna de Ângelis / Médium Divaldo Pereira Franco

sábado, 23 de abril de 2016

Cada Dia - Emmanuel

Cada manhã na Terra é uma página em branco de que dispões no livro da vida, para fazer os melhores exercícios e testemunhos de elevação e bondade.
Não olvides que cada pessoa a cruzar-te o passo, na trilha das horas, é uma oportunidade de construção espiritual.
Seja qual seja o motivo para desafeto, cultiva a compreensão e amizade, observando que todo favor que possas prestar a benefício de alguém é uma chave que fabricas para a solução de teus problemas futuros.
Por mais claras as razões que justifiquem esse ou aquele comentário infeliz, procura encaixar uma frase edificante no círculo das palavras rudes que estejam sendo pronunciadas.
Por muito que um companheiro te haja ofendido, não lhe negues tolerância e abençoa-o com as tuas preces e gestos de auxílio, na convicção de que estás, com isso, levantando dispositivos de proteção a ti mesmo.
Na atividade em que te encontres, faze mais que o dever, porquanto o serviço extra, espontâneo e sem recompensa, em toda situação, será sempre a tua mais alta pregação de virtude.
Começa de casa a execução dos conselhos salutares que ofereces ao próximo, aprendendo que é impossível ajudar a Humanidade quando não saibamos entender e amparar algumas poucas pessoas, entre os limites da parentela.
Alia ação e oração, sustentando a felicidade dos outros, como queremos que Deus nos concretize a própria felicidade.
Quando o dia termine, agradece ao Senhor a ventura de haver engastado mais uma pérola do tempo em teu colar de realizações, e, cerrando os olhos para o justo refazimento, guarda por teu maior prêmio a consciência tranquila, com a invariável disposição de viver, cada dia, reconhecendo que tudo na vida depende inteiramente de Deus, mas na certeza de que o trabalho em tuas mãos depende unicamente de ti.

Emmanuel
De “Passos da Vida”, de Francisco Cândido Xavier – Espíritos Diversos

Aceita a Correção - Emmanuel

“E, na verdade, toda correção, no presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas, depois, produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela”. Paulo. (Hebreus, 12:11).

A terra, sob a pressão do arado, rasga-se e dilacera-se, no entanto, a breve tempo, de suas leiras retificadas brotam flores e frutos deliciosos.
A árvore, em regime de poda, perde vastas reservas de seiva, desnutrindo-se e afeando-se, todavia, em semanas rápidas, cobre-se de nova robustez, habilitando-se à beleza e à fartura.
A água humilde abandona o aconchego da fonte, sofre os impositivos do movimento, alcança o grande rio e, depois, partilha a grandeza do mar.
Qual ocorre na esfera simples da Natureza, acontece no reino complexo da alma.
A corrigenda é sempre rude, desagradável, amargurosa; mas, naqueles que lhe aceitam a luz, resulta sempre em frutos abençoados de experiência, conhecimento, compreensão e justiça.
A terra, a árvore e a água suportam-na, através de constrangimento, mas o Homem, campeão da inteligência no Planeta, é livre para recebê-la e ambientá-la no próprio coração.
O problema da felicidade pessoal, por isso mesmo, nunca será resolvido pela fuga ao processo reparador.
Exterioriza-se a correção celeste em todos os ângulos da Terra.
Raros, contudo, lhe aceitam a bênção, porque semelhante dádiva, na maior parte das vezes, não chega envolvida em arminho, e, quando levada aos lábios, não se assemelha a saboroso confeito. Surge, revestida de acúleos ou misturada de fel, à guisa de remédio curativo e salutar.
Não percas, portanto, a tua preciosa oportunidade de aperfeiçoamento.
A dor e o obstáculo, o trabalho e a luta são recursos de sublimação que nos compete aproveitar.

De Fonte Viva – Emmanuel / Francisco Cândido Xavier

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Ter e Ser - Joanna de Ângelis

Recomendava-se a posse como forma de segurança, a felicidade media-se pelos bens acumulados e a tranquilidade era a falta de preocupação quanto ao presente e ao futuro.
Parecia possível comprar a felicidade.
Cunhou-se o conceito irônico de que o dinheiro não dá felicidade, porém ajuda a consegui-la. Ninguém o contesta; mas o dinheiro não é tudo.
A vida não se limita a negócios, à compra e venda de coisas, de favores, de posições.
O imediatismo subestimou os códigos éticos e morais, as conquistas intelectuais, as virtudes, por parecerem de menor valor.
Os homens não são marionetes. Cada indivíduo tem as suas próprias aspirações e metas, não podendo ser movido pelo prazer insano ou por outras pessoas.
A vida são todas as ocorrências, agradáveis ou não, que trabalham pelo progresso.
A posse atende a objetivos próprios, não exclusivos. Mas a integridade e a segurança defluem do que se é, jamais do que se tem.

Joanna de Ângelis / Médium Divaldo Pereira Franco
Livro: O Homem Integral (extrato) - Ed. LEAL

Oração - Victor Hugo

Almas da Terra!
Quando o fragor das inquietações estiver a ponto de estraçalhar-vos; se nas encruzilhadas não souberdes o caminho a seguir e todas as rotas vos parecerem acesso a abismos; quando insuportável desesperação vos houver arrastado a conclusões infelizes que vos pareçam ser a única solução; quando os infortúnios, em vos excruciando, tenderem a tornar-vos indiferentes ao próprio sofrimento — tendes o veículo da oração e dispondes do acesso à meditação remediadora! Talvez não vos sejam supressos os problemas, nem afastadas as dificuldades. No entanto, dilatareis a visão, para melhor e mais apurado discernimento; lobrigareis mais ampla compreensão da vida e das suas legítimas realidades; experimentareis a presença de forças ignotas, que vos penetrarão, vitalizando-vos; elevar-vos-eis a zonas psíquicas relevantes, donde volvereis saturados de paz, com possibilidades de prosseguirdes, não obstante quaisquer difíceis conjunturas existentes ou por existirem. Porque a prece apazígua e a meditação refaz; a oração eleva, enquanto a reflexão sustenta; o pensamento nobre, comungando com Deus, em Deus haure a vida, e dialogando, em conúbio de amor, extravasa as impurezas e se impregna com as sublimes vibrações da afetividade, que se converte em força dinâmica, para sustentar as combalidas potencialidades que, então, se soerguem e não mais desfalecem.
Não vos arrojeis desastradamente nas valas da ira irrefreável ou nas vagas da insensatez. Antes que vos assaltem os demônios do crime, erguei-vos do caos, pensando e orando.
Há ouvidos atentos que captarão vossos apelos e cérebros poderosos que emitirão mensagens-respostas, que não deveis desconsiderar.
Amores que vos precederam no além-túmulo vigiam e esperam por vós, amam e aguardam receptividade.
Não vos enganeis, nem vos desespereis vãmente. Tende tento! Falai ao Pai na prece calma e silenciai para O ouvirdes, através da inspiração clarificadora.
Nada exijais. Quem ora, não impõe. Orar é abrir a alma, externar estados íntimos, refugiar-se na divina sabedoria, a fim de abastecer-se de entendimento, penetrando-se de saúde interior...
E quando retornardes da incursão pela prece, exultai, apagando as sombrias expressões anteriores, superando as marcas das crises sofridas e espargindo alegrias, em nome da esperança que habitará em vós.
Trabalhando pelo bem, o homem ora.
Orando, na aflição ou na alegria, o homem trabalha. E orando conseguirá vencer toda tentação, integrar-se com plenitude no espírito da vida, que flui da Vida Abundante, com forças superiores para trabalhar e vencer...

Victor Hugo - Divaldo Pereira Franco
(Sublime Expiação, Victor Hugo – Ed. FEB, 7ª ed., 1992, pag. 145)
(Fonte: “A prece segundo os Espíritos — coletânea mediúnica ilustrada – Divaldo Pereira Franco – Diversos Espíritos

Conta Particular - Emmanuel

“Ah! se tu conhecesses também, ao menos neste teu dia, o que à tua paz pertence!” – Jesus. (Lucas, 19:42)

A exclamação de Jesus, junto de Jerusalém, aplica-se muito mais ao coração do homem – templo vivo do Senhor – que à cidade de ordem material, destinada à ruína e à desagregação nos setores da experiência.
Imaginemos o que seria o mundo, se cada criatura conhecesse o que lhe pertence à paz íntima.
Em virtude da quase geral desatenção a esse imperativo da vida, é que os homens se empenham em dolorosos atritos, assumindo escabrosos débitos.
Atentemos para a assertiva do Mestre – “ao menos neste teu dia”. Estas palavras convidam-nos a pensar na oportunidade de serviço de que dispomos presentemente e a refletir nos séculos que perdemos; compelem-nos a meditar quanto ao ensejo de trabalho, sempre aberto aos espíritos diligentes.
O homem encarnado dispõe dum tempo glorioso que é provisoriamente dele, que lhe foi proporcionado pelo Altíssimo em favor de sua própria renovação.
Necessário é que cada um conheça o que lhe toca à tranquilidade individual. Guarde cada homem digna atitude de compreensão dos deveres próprios e os fantasmas da inquietude estarão afastados. Cuide cada pessoa do que se lhe refira à conta particular e dois terços dos problemas sociais do mundo surgirão naturalmente resolvidos.
Repara as pequeninas exigências de teu círculo e atende-as, em favor de ti mesmo.
Não caminharás entre as estrelas, antes de trilhares as sendas humildes que te competem.


Livro: Pão Nosso - Francisco Cândido Xavier - Ditado pelo Espírito Emmanuel

A Lição da Espada - Emmanuel

“Não cuideis que vim trazer a paz à Terra...” — Jesus (Mateus, 10:34)

Não vim trazer a paz, mas a espada” — disse-nos o Senhor.
E muitos aprendizes prevalecem-se a feição literal de Sua palavra, para estender a sombra e a perturbação.
Valendo-se-lhe do conceito, companheiros inúmeros consagram-se ao azedume no lar, conturbando os próprios familiares, em razão de lhes imporem modos de crer e pontos de vista, vergastando-lhes o entendimento, ao invés de ajudá-los na plantação da fé viva quando não se desmandam em discussões e conflitos, polemizando sem proveito ou acusando indebitamente a todos aqueles que lhes não comunguem a cartilha de violência e crueldade.
*
O mundo, até a época do Cristo, legalizara a prepotência do ódio e da ignorância, mantendo-lhe a terrível dominação, através da espada mortífera da guerra e do cativeiro, em sanguinolentas devastações.
*
A realeza do homem era a tirania revestida de ouro, arruinando e oprimindo onde estendesse as garras destruidoras.
*
Com Jesus, no entanto, a espada é diferente.
Voltada para o seio da Terra, representa a cruz em que Ele mesmo prestou o testemunho supremo do sacrifício e da morte pelo bem de todos.
É por isso que o Seu exemplo não justifica os instintos desenfreados de quantos pretendam ferir ou guerrear em Seu nome.
A disciplina e a humildade, o amor e a renúncia marcam-lhe as atitudes em todos os passos da senda.
Flagelado e esquecido, entre o escárnio a calúnia, o perdão espontâneo flui-lhe, incessante, da alma, para somente retribuir bênção por maldição, luz por treva, bem por mal.
*
Assim, se recebeste a espada simbólica que o Mestre nos trouxe à vida, lembra-te de que a batalha instituída pela lição do Senhor permanece viva e rija, dentro de nós, a fim de que, ensarilhando sobre o pretérito a espada de nossa antiga insensatez, venhamos a convertê-la na cruz redentora, em que combateremos o inimigos de nossa paz, ocultos em nosso próprio “eu”, em forma de orgulho e intemperança, egoísmo e animalidade, consumindo-se ao preço de nossa própria consagração à felicidade dos outros, única estrada suscetível de conduzir-nos ao império definitivo da Grande Luz.

Livro: “Ceifa de Luz”, de Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Emmanuel

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Gratidão - Bezerra de Menezes

É de justiça que tenhamos gratidão por todos os gestos que venham em nosso encontro a nos ajudar, desde o olhar magnânimo ao desprendimento da vida e de coisas.
A gratidão é, pois, a luz do entendimento de quem recebe as bençãos de quem oferta.
Quando fechamos os sentimentos, no sentido de impedir a liberação da gratidão, abafamos o coração na luz das luzes, que vem de Deus.
Sê grato a quem te olha com amor, a quem te ajuda a pensar, a quem te abençoa no conforto, à natureza que te oferece a água, o ar, a presença de todos os meios de seres feliz. Gratidão não é violência de pensar nem de expressão de gestos
Gratidão é força que desprende no silêncio do ser.
Ao amanhecer o dia, agradece a Deus por mais uma oportunidade de viver e de servir! Todos os instantes da existência são momentos de receber e dar e a razão educada nos indica que a gratidão é sinal de amor, na pureza da própria vida.
Sê alegre, na pureza dos sentimentos. A alegria pode ser gratidão, expressa nas direções em que pode ofertar-se à fonte que nos beneficiou.
Agradecimento é juventude e riqueza de paz de consciência, é harmonia de vida e luz da alma para a luz de Deus!

Do livro - Páginas Esparsas - João Nunes / Bezerra de Menezes


Bem-Aventuranças - Emmanuel

“Bem-aventurados sereis quando os homens vos aborrecerem, e quando vos
separarem, vos injuriarem e rejeitarem o vosso nome como mau, por causa do Filho do homem.” — Jesus. (Lucas, Capítulo 6, Versículo 22.)


O problema das bem-aventuranças exige sérias reflexões, antes de interpretado por questão líquida, nos bastidores do conhecimento.
Confere Jesus a credencial de bem-aventurados aos seguidores que lhe partilham as aflições e trabalhos; todavia, cabe-nos salientar que o Mestre categoriza sacrifícios e sofrimentos à conta de bênçãos educativas e redentoras.
Surge, então, o imperativo de saber aceitá-los.
Esse ou aquele homem serão bem-aventurados por haverem edificado o bem, na pobreza material, por encontrarem alegria na simplicidade e na paz, por saberem guardar no coração longa e divina esperança.
Mas... e a adesão sincera às sagradas obrigações do título?
O Mestre, na supervisão que lhe assinala os ensinamentos, reporta-se às bem-aventuranças eternas; entretanto, são raros os que se aproximam delas, com a perfeita compreensão de quem se avizinha de tesouro imenso. A maioria dos menos favorecidos no plano terrestre, se visitados pela dor, preferem a lamentação e o desespero; se convidados ao testemunho de renúncia, resvalam para a exigência descabida e, quase sempre, ao invés de trabalharem pacificamente, lançam-se às aventuras indignas de quantos se perdem na desmesurada ambição.
Ofereceu Jesus muitas bem-aventuranças. Raros, porém, desejam-nas. É por isto que existem muitos pobres e muitos aflitos que podem ser grandes necessitados no mundo, mas que ainda não são benditos no Céu.

Livro: Pão Nosso - Francisco Cândido Xavier - Ditado pelo Espírito Emmanuel

O Bem Incansável - Emmanuel

“E vós, irmãos, não vos canseis de fazer o bem.” — Paulo. (2ª Epístola aos Tessalonicenses, Capítulo 3, Versículo 13.)

É muito comum encontrarmos pessoas que se declaram cansadas de praticar o bem. Estejamos, contudo, convictos de que semelhantes alegações não procedem de fonte pura.
Somente aqueles que visam determinadas vantagens aos interesses particularistas, na zona do imediatismo, adquirem o tédio vizinho da desesperação, quando não podem atender a propósitos egoísticos.
É indispensável muita prudência quando essa ou aquela circunstância nos induz a refletir nos males que nos assaltam, depois do bem que julgamos haver semeado ou nutrido.
O aprendiz sincero não ignora que Jesus exerce o seu ministério de amor sem exaurir-se, desde o princípio da organização planetária. Relativamente aos nossos casos pessoais, muita vez terá o Mestre sentido o espinho de nossa ingratidão, identificando-nos o recuo aos trabalhos da nossa própria iluminação; todavia, nem mesmo verificando-nos os desvios voluntários e criminosos, jamais se esgotou a paciência do Cristo que nos corrige, amando, e tolera, edificando, abrindo-nos misericordiosos braços para a atividade renovadora.
Se Ele nos tem suportado e esperado através de tantos séculos, por que não poderemos experimentar de ânimo firme algumas pequenas decepções durante alguns dias?
A observação de Paulo aos tessalonicenses, portanto, é muito justa. Se nos entediarmos na prática do bem, semelhante desastre expressará em verdade que ainda nos não foi possível a emersão do mal de nós mesmos.

Livro: Pão Nosso - Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Emmanuel

A Caridade Desconhecida - Neio Lúcio


A conversação em casa de Pedro versava, nessa noite, sobre a prática do bem, com a viva colaboração verbal de todos.
Como expressar a compaixão, sem dinheiro? Por que meios incentivar a beneficência, sem recursos monetários?
Com essas interrogativas, grandes nomes da fortuna material eram invocados e a maioria inclinava-se a admitir que somente os poderosos da Terra se encontravam à altura de estimular a piedade ativa, quando o Mestre interferiu, opinando, bondoso:
- Um sincero devoto da lei foi exortado por determinações do Céu ao exercício da beneficência; entretanto, vivia em pobreza extrema e não podia, de modo algum, retirar a mínima parcela de seu salário para o socorro aos semelhantes. Em verdade, dava de si mesmo, quanto possível, em boas palavras e gestos pessoais de conforto e estímulo a quantos se achavam em sofrimento e dificuldade; porém, magoava-lhe o coração a impossibilidade de distribuir agasalho e pão com os andrajosos e famintos à margem de sua estrada.
Rodeado de filhinhos pequeninos, era escravo do lar que lhe absorvia o suor.
Reconheceu, todavia, que, se lhe era vedado o esforço na caridade pública, podia perfeitamente guerrear o mal, em todas as circunstâncias de sua marcha pela Terra.
Assim é que passou a extinguir, com incessante atenção, todos os pensamentos inferiores que lhe eram sugeridos; quando em contato com pessoas interessadas na maledicência, retraía-se, cortês, e, em respondendo a alguma interpelação direta, recordava essa ou aquela pequena virtude da vítima ausente; se alguém, diante dele, dava pasto à cólera fácil, considerava a ira como enfermidade digna de tratamento e recolhia-se à quietude; insultos alheios batiam-lhe no espírito à maneira de calhaus em barril de mel, porquanto, além de não reagir, prosseguia tratando o ofensor com a fraternidade habitual; a calúnia não encontrava acesso em sua alma, de vez que toda denúncia torpe se perdia, inútil, em seu grande silêncio; reparando ameaças sobre a tranqüilidade de alguém, tentava desfazer as nuvens da incompreensão, sem alarde, antes que assumissem feição tempestuosa; se alguma sentença condenatória bailava em torno do próximo, mobilizava, espontâneo, todas as possibilidades ao seu alcance na defesa delicada e imperceptível; seu zelo contra a incursão e a extensão do mal era tão fortemente minucioso que chegava a retirar detritos e pedras da via pública, para que não oferecessem perigo aos transeuntes.
Adotando essas diretrizes, chegou ao termo da jornada humana, incapaz de atender às sugestões da beneficência que o mundo conhece. Jamais pudera estender uma tigela de sopa ou ofertar uma pele de carneiro aos irmãos necessitados.
Nessa posição, a morte buscou-o ao tribunal divino, onde o servidor humilde compareceu receoso e desalentado. Temia o julgamento das autoridades celestes, quando, de improviso, foi aureolado por brilhante diadema, e, porque indagasse, em lágrimas, a razão do inesperado prêmio, foi informado de que a sublime recompensa se referia à sua triunfante posição na guerra contra o mal, em que se fizera valoroso empreiteiro.
Fixou o Mestre nos aprendizes o olhar percuciente e calmo e concluiu, em tom amigo: - Distribuamos o pão e a cobertura, acendamos a luz para a ignorância e intensifiquemos a fraternidade aniquilando a discórdia, mas não nos esqueçamos do combate metódico e sereno contra o mal, em esforço diário, convictos de que, nessa batalha santificante, conquistaremos a divina coroa da caridade desconhecida.

(Fonte: “Jesus no Lar”, N. Lúcio / Francisco Cândido Xavier)

domingo, 17 de abril de 2016

A Palavra - André Luiz


A palavra é indubitavelmente um dos fatores determinantes no destino das criaturas:
Ponderada - favorece o juízo.
Leviana - descortina a imprudência.
Alegre - espalha o otimismo.
Triste - semeia desânimo.
Generosa - abre caminho à elevação.
Maledicente - cava despenhadeiros.
Gentil - provoca o reconhecimento.
Atrevida - traz a perturbação.
Serena - produz calma.
Fervorosa - impõe a confiança.
Descrente - invoca a frieza.
Bondosa - ajuda sempre.
Cruel - fere implacável.
Sábia - ensina.
Ignorante - complica.
Nobre - tece o respeito.
Sarcástica - improvisa o desprezo.
Educada - auxilia a todos.
Inconsciente - gera amargura.
Por isso mesmo, exortava Jesus: - " Não procures o argueiro nos olhos de teu irmão, quando trazes uma trave nos teus ".
A palavra é a bússola de nossa alma, onde estivermos.
Conduzamo-la na romagem do mundo para a orientação do Senhor, porque, em verdade, ela é a força que nos abre as portas do coração às fontes luminosas da vida ou às correntes da morte.

De “Endereços da Paz”
André Luiz e Francisco Cândido Xavier

Horas de Luz - Emmanuel


Quando tudo de pareça frustração e impedimento;
no instante em que a solidão te obrigue a pensar e repensar;
em observando os recursos necessário a própria subsistência cada vez mais distantes;
no momento em que os melhores amigos te considerarem incapaz para o serviço a fazer;
na travessia de graves desgostos;
nas épocas de crise, quando a provação te procure para demoradas visitas;
ouvindo os pregoeiros do pessimismo e do desalento;
diante das ocorrências complicadas e dolorosas;
quando o desânimo te ameace;
ou na ocasião em que todas as circunstâncias surjam conjugadas como que favorecendo a ignorância e o desequilibrio;
guarda a certeza de que estás atingindo a hora de luz
em que desfrutas a oportunidade de revelar a força de tua
fé e o ensejo bendito em que podes, com a benção de Deus, esquecer o mal e fazer o bem.

Francisco Cândido Xavier / Emmanuel.
Mensagem extraida do livro "Algo Mais"

sábado, 16 de abril de 2016

Indiferentes - Joanna de Ângelis

A indiferença é morte da ação que induz a criatura ao progresso. É ausência de ideal vitalizador.
O indiferente padece de doença que o domina a pouco e pouco, ameaça-lhe o equilíbrio e anula as movimentações que o capacitam para a luta.
São pessoas que não ouvem nem querem ver. Não alcançaram metas e sentem-se burladas.
Refugiam-se na indiferença antes de tentarem mais uma vez. E, porque perderam a fé, negam-se a confiar em alguém.
Nas atividades espirituais, são em número surpreendente. Não reagem a favor nem contra.
Não te aflijas pela atitude delas. Reencontrarão, mais tarde, o caminho que devem percorrer.
Não deixes de produzir e com entusiasmo, no teu campo de ação, quando as defrontares.
Não foram apenas os que odiavam e temiam a soberana força do amor de Jesus que O levaram à morte. Foram também os indiferentes.
Apesar deles, o Senhor escreveu, com sacrifício pessoal, a página mais comovedora e estóica de todos os tempos e que até hoje atrai mentes e corações para Sua doutrina.

Livro: Oferenda - Joanna de Ângelis / Médium Divaldo Pereira Franco


Caridade e Razão - Emmanuel

Indiscutivelmente estamos ainda muito longe da educação racional.
Conquanto necessitados de ponderação, agimos, via de regra, sob o impulso de alavancas emotivas acionadas por sugestões exteriores.
De modo geral, muito antes que nos decidamos a discernir, assimilamos ideias que nos são desfechadas por informações e exibições que nem sempre se vinculam à verdade e passamos a esposar opiniões que, comumente, nos induzem a desastres morais no comboio da existência.
Habitua-te a essa realidade e não te entregues às impressões tumultuárias que porventura te visitem o coração.
Com isso, não te queremos pedir para que te transformes em palmatória de corrigenda ou para que apresentes ouvidos de pedra à frente dos semelhantes.
Às vezes, há muito mais caridade na atenção que no conselho.
Fraternalmente, escuta o que se te diga e observa o que vês, sem escandalizar os interlocutores ou ferir os companheiros de romagem terrestre, opondo-lhes censuras ou contraditas que apenas lhes agravariam as dificuldades e os problemas.
Ao invés disso, aprendamos a filtrar aquilo que nos alcance o campo íntimo, aproveitando os elementos que se façam úteis aos outros e a nós mesmos, e esquecendo tudo – mas realmente tudo – o que não nos sirva à construção do melhor.
Conversação, na essência, é permuta de almas.
Através da palavra, damos e recebemos.
Isso, porém, não se refere a doações e recepções teóricas.
Entendendo-nos uns com os outros, fornecemos e adquirimos determinados recursos de espírito, que influirão em nossa conduta e a nossa conduta forma a corrente de planos, coisas, encontros e realizações que nos determinarão o destino.
Escolha de hoje no livre-arbítrio será consequência amanhã. Causa de agora será resultado depois.
Cultivemos harmonia, à frente de tudo e de todos; no entanto é preciso que essa atitude de entendimento não exclua de nossa personalidade o otimismo irradiante, a sinceridade construtiva, o reconforto da intimidade e a alegria de viver.
Em suma, diante de todos e de tudo, deixemos que a caridade nos ilumine o crivo da razão, a fim de que não venhamos a perder os melhores valores do tempo e da vida, por ausência de equilíbrio ou falta de amor.

Livro: Encontro Marcado - Francisco Cândido Xavier - Emmanuel

Necessidade e Ação - Emmanuel

Os casos particulares não me permitem ser demasiado extenso, mas não me furto ao desejo de vos dizer duas palavras, corroborando a explanação elucidativa junto das preces da noite.
Espiritismo, filhos, é luz, e é necessário que cada um daqueles que o abraçam procure brilhar, testemunhando a sua claridade.
As nossas mensagens, a possibilidade de comunicação entre dois mundos, são permitidas por Deus, a fim de que o homem vislumbre as realidades espirituais, aplicando-as à sua passageira vida na terra.
É necessário cessar a época do verbalismo vazio.
Há muitos séculos a humanidade tem vivido uma época de pura predicação sem exemplos.
O que temos visto em todos os tempos? Tribunas, púlpitos, livros, prolixidade de pedagogia gratuita, dentro de uma multiplicidade assombrosa de demagogos e de arautos.
Chegaram os tempos da iniciativa própria, do esforço pessoal em favor da iluminação conscencial do individuo, perdido no oceano da coletividade.
Cada homem deve e pode possuir qualidade auto-didata.
Os espíritas necessitam compreender essa necessidade de ação no campo individual.
Ação essa que se irradiará naturalmente para o mundo largo das sociedades.
Sem esforço nada se terá feito.
As obras de caridade material têm sido edificadas pela igreja católica.
Seus hospitais, seus orfanatos, suas freiras, seus conventos, onde se efetuam sopas a pobres e recolhimento dos desvalidos, estão por toda a parte.
O que os espíritas não estão percebendo é que a eles competem organizar sua consciência verdadeiramente cristã nessa civilização da fome e da febre de ouro.
è preciso que se arregimentem os exemplos de predicações pelos atos, trabalhando e enfrentando corajosamente as penúrias da vida, sem estagnação, sem fanatismo, sem recuos para épocas primitivas do pensamento.
É doloroso que sejamos mentalidades que deveriam está afinadas em obras evangélicas, perdidas no lábaro ingrato de doutrinações inoportunas e desnecessárias.
Os espíritas precisam saber que obras materiais não faltam no mundo, os grandes colossos de pedra assombram as iniciativas dos mais ousados.
Eles ficaram, de fato, com o apostolado da pobreza da Humildade de Assis na restauração do cristianismo, mas compete-lhes fornecer com os exemplos na ação, na tolerância, no trabalho, no esforço, na piedade e na resignação, uma alma a esses gigantes de alvenaria.
Faz-me necessário dar calor às cátedras imensas e frias. E esse calor só poderá nascer da fé realizadora e ativa, que trabalha e opera, longe de qualquer cristalização teórica.
tempo da palavra vazia passou.
O tempo atual é dos atos.
Aliemos nossos esforços e trabalhemos.
Precedamos qualquer ensinamento com um exemplo de ordem pessoal.
O mundo está intoxicado pela generalização da cultura sem base, sem bússola, sem norte espiritual.
Aprendamos e pratiquemos, trabalhando, laborando com nossos desprendimento, sem nos finalizarmos, dentro das atividades que nos cabe desenvolver e dentro da tarefa que nossa cabe desempenhar.
Se emprego o "nós", nestes meus apelos é que também aqui não descansamos.
Não estamos inativos.
A luta é condição primordial de qualquer conquista.
Aprendamos com Jesus e coloquemos ao seu serviço toda a nossa boa vontade.

Obra: Doutrina e Vida - Francisco Cândido Xavier

Quem Sois? - Emmanuel

“Mas o Espírito maligno lhes respondeu: Conheço a Jesus e bem sei quem é Paulo; mas vós, quem sois?” — (Atos, 19.15)

Qualquer expressão de comércio tem sua base no poder aquisitivo. Para obter, é preciso possuir.
No intercâmbio dos dois mundos, terrestre e espiritual, o fenômeno obedece ao mesmo princípio. Nas operações comerciais de César, requerem-se moedas ou expressões fiduciárias com efígies e identificações que lhes digam respeito. Nas operações de permuta espiritual requisitam-se valores individualíssimos, com os sinais do Cristo.
O dinheiro de Jesus é o amor. Sem ele, não é lícito aventurar-se alguém ao sagrado comércio das almas.
O versículo aqui nomeado constitui benéfica advertência a quantos, para o esclarecimento dos outros, invocam o Mestre, sem títulos vivos de sua escola sacrificial.
Mormente no que se refere às relações com o Plano invisível, mantendo cuidado por evitar afirmativas a esmo.
Não vos aventureis ao movimento, sem o poder aquisitivo do amor de Jesus.
O Mestre é igualmente conhecido de seus infelizes adversários. Os discípulos sinceros do Senhor são observados por eles também. Os inimigos da luz reconhecem-lhes o sublime valor.
Quando vos dispuserdes, portanto, a esse gênero de trabalho, não olvideis vossa própria identificação, porque, provavelmente, sereis interpelados pelos representantes do mal, que vos perguntarão quem sois.

Obra: Caminho, Verdade e Vida
Emmanuel / Francisco Cândido Xavier

Pedir - Emmanuel

“Jesus, porém, respondendo, disse: Não sabeis o que pedis.” — (Mateus, capítulo 20, versículo 22.)

A maioria dos crentes dirige-se às casas de oração, no propósito de pedir alguma coisa.
Raros os que aí comparecem, na verdadeira atitude dos filhos de Deus, interessados nos sublimes desejos do Senhor, quanto à melhoria de conhecimentos, à renovação de valores íntimos, ao aproveitamento espiritual das oportunidades recebidas de Mais Alto.
A rigor, os homens deviam reconhecer nos templos o lugar sagrado do Altíssimo, onde deveriam aprender a fraternidade, o amor, a cooperação no
seu programa divino. Quase todos, porém, preferem o ato de insistir, de teimar, de se imporem ao paternal carinho de Deus, no sentido de lhe subornarem o Poder Infinito.
Pedinchões inveterados, abandonam, na maior parte das vezes, o traçado reto de suas vidas, em virtude da rebeldia suprema nas relações com
o Pai. Tanto reclamam, que lhes é concedida a experiência desejada.
Sobrevêm desastres. Surgem as dores. Em seguida, aparece o tédio, que é sempre filho da incompreensão dos nossos deveres.
Provocamos certas dádivas no caminho, adiantamo-nos na solicitação da herança que nos cabe, exigindo prematuras concessões do Pai, à maneira do
filho pródigo, mas o desencanto constitui-se em veneno da imprevidência e da irresponsabilidade.
O tédio representará sempre o fruto amargo da precipitação de quantos se atiram a patrimônios que lhes não competem.
Tenhamos, pois, cuidado em pedir, porque, acima de tudo, devemos solicitar a compreensão da vontade de Jesus a nosso respeito.

Livro: Caminho, Verdade e Vida - Francisco Cândido Xavier / Espírito Emmanuel

Pureza - Emmanuel

Estudando a palavra do Mestre, recordemos que no mundo não existiu ninguém com tanta pureza na alma.
Cabe-nos lembrar como Jesus via no caminho da vida, para reconhecermos que sabia encontrar a Presença Divina em todas as situações e criaturas.
Para muitos, a manjedoura era lugar desprezível; entretanto, Ele via Deus na humildade com que a Natureza lhe oferecia materno colo e transformou a estrebaria num poema de excelsa beleza.
Para muitos, Maria de Magdala era sem valor, pela condição de obsidiada em que se mostrava na vida pública; Ele via Deus em seu coração feminino e converteu-a em mensageira da celeste ressurreição.
Se purificares o coração, notarás a presença de Deus em toda parte, compreendendo que o Criador não desiste de criatura alguma, e notarás que a maldade é apenas lama que envolve a alma – o brilhante Divino que virá fatalmente à Luz...

Livro: Religião dos Espíritos - Emmanuel / Médium Francisco Cândido Xavier

Entendimento - Emmanuel

O cultivador do campo não prescinde do arado com que sulcará o corpo da gleba.
O estatuário recorrerá ao buril para afeiçoar o mármore à ideia criadora que lhe inflama a cabeça.
A criatura interessada na produção de reflexos mentais protetores de sua senda não dispensará o entendimento por alicerce do trabalho renovador. Entendimento que simbolize fraternidade operante.
Até o ingresso na Consciência Cósmica, todos os seres se distinguem pela face de luz com que se alteiam para os cimos da evolução e pela face de sombra pela qual ainda sofrem a influência da retaguarda.
Todos recolhemos do Pai Celeste os estímulos ao futuro e todos padecemos os reflexos do passado a se nos projetarem sobre a existência.
Só o culto do entendimento pode garantir-nos o equilíbrio indispensável no serviço edificante de autoburilamento.

Livro: Pensamento e Vida - Emmanuel / Médium Francisco Cândido Xavier

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Medicação Preventiva - André Luiz

Pense muito, antes da discussão. O discutidor, por vezes, não passa de estouvado.
Use a coragem, sem abuso. O corajoso, em muitas ocasiões, é simples imprudente.
Observe os seus métodos de cultivar a verdade. Muitas pessoas que se presumem verdadeiras, são veículos de perturbação e desânimo.
Proceda com inteligência em todas as situações. Não se esqueça, porém, de que muitos homens inteligentes são meros velhacos.
Seja forte na luta de cada dia. Não olvide, contudo, que muitos companheiros valentes são suicidas inconscientes.
Estime a eficiência. No entanto, a pretexto de rapidez, não adote a precipitação.
Não enfrente perigos, sem recursos para anulá-los. O que consignamos por desassombro, muita vezes é loucura.
Guarde valor em suas atitudes. Recorde, entretanto, que o valor não consiste em vencer, de qualquer modo, mas em conquistar o adversário no trabalho pacífico.
Tenha bom ânimo, mas seja comedido em seus empreendimentos. Da audácia ao crime, a distância é de poucos passos.
Atenda a afabilidade e a doçura em seu caminho. Não perca, porém, o seu tempo em conversas inúteis.

Livro: Agenda Cristã
Francisco Cândido Xavier / André Luiz

Coragem - Joanna de Ângelis

Ao meio das lutas ásperas, a coragem desempenha papel preponderante.
Uns fogem atemorizados, outros entregam-se ao desânimo e vários refugiam-se na insensatez.
Constituem a caravana dos frustrados, desarmados de coragem, porque se negam o esforço em prol da renovação íntima e do vigor sadio.
Essa energia que sustenta, essa força moral que induz ao êxito – a coragem!
A coragem é consequência natural da fé.
Não significa irreflexão, desatino, temeridade, mas denodo, intrepidez...
É calma, segura, fonte geratriz de equilíbrio que fomenta a vida e glorifica o labor.
Ei-la anônima e valorosa em muitas formas:
A coragem da paternidade responsável;
A coragem de perseverar na verdade;
A coragem de amar desinteressadamente;
A coragem de ceder, quando poderia deter;
A coragem de cultivar a humildade;
A coragem de vencer-se primeiro.
Por isso, o Bem exalta a beleza, em nome da coragem e da fé, certo do inefável amor de Deus.

Livro: Celeiro de Bênçãos - Joanna de Ângelis / Médium Divaldo Pereira Franco

terça-feira, 12 de abril de 2016

Diante da Angústia - Joanna de Ângelis

A ausência de objetivos existenciais conduz o indivíduo à conceituação do nada como um mecanismo de fuga da realidade.
Kierkegaard, o eminente teólogo e filósofo dinamarquês, estabeleceu que a ausência de sentido da vida conduz à angústia, procedendo do nada e vivenciando realidades para o futuro .
Essa ambigüidade entre o nada e o ser leva a uma irracionalidade da sua existência metafísica e a expressão absurda da vida.
Essa conceituação abriu espaço para formulações variadas na área da filosofia, facultando aos existencialistas, através do pensamento de Sartre, que a considerava como sendo uma expressão de liberdade, conseqüência da falta de objetivos essenciais. Igualmente os sensualistas têm-na como ausência de metas, o absurdo, produzindo resultados de aniquilamento da vida, como pensava Camus e todo um grupo de apologistas do prazer.
Sob o ponto de vista psicológico, a angústia resulta de vários fatores ancestrais, que podem possuir uma carga genética, que imprimiu no comportamento a patologia perturbadora.
Outros impositivos psicossociais como perinatais influenciam a conduta angustiante, levando à depressão profunda, que pode resultar em suicídio.
A fixação de pensamentos negativos em que o homem se compraz termina por gerar conflitos graves quando se negam auto-estima e o direito à felicidade, vivência a autoconsideração, tombando na revolta surda e silenciosa, que cultiva nos dédalos da personalidade conflitiva.
Entretanto, as raízes fortes da angústia encontram-se emaranhadas no passado de culpa do Espírito, que reconhece o erro e teme ser descoberto.
Envolve-se, sem dar-se conta, num manto sombrio de desconforto moral e sem ter consciência da sua realidade, compreende-a, mas não sabendo digeri-la, transforma-a em mortificação, em cilício, que o amargura.
Faltando valores morais para um enfrentamento lúcido com a realidade em que limita os movimentos, transfere o sentido de responsabilidade para o próximo, para a sociedade e descarrega a sua mágoa, rebelando-se, anulando-se.
A angústia é estado mórbido que deve ser combatido na sua causalidade.
A reflexão em torno dos valores que são desconsiderados, a introspecção sobre a oportunidade de despertamento para ser útil, o sentimento de fraternidade que deve ser despertado, contribuem positivamente para o tratamento libertador...
A ajuda especializada de terapeuta responsável enseja o desalgemar do Espírito desse amargo estado aflitivo, acenando possibilidades felizes que se transformam em bem-estar e saúde.
Não raro, o portador de angústia cultiva o masoquismo, que resulta de uma consulta egoísta, graças, ao que, mediante mecanismo psicológico especial, foge da realidade por necessidade de valorização pessoal. Em face da ausência de recursos positivos e superiores, recorre ao atavismo dos instintos primários e descamba na torpe angústia.
Diante dela, somente uma resolução firme e legítima para facultar abertura terapêutica para o desafio.
Não havendo interesse do paciente, é certo que mais difícil se torna a liberação da psicopatologia tormentosa.
Considera a bênção da oportunidade que desfrutas e espanta as sombras da tristeza que, periodicamente, te assaltam.
Evita acumular amarguras defluentes da queixa, da sensação de infelicidade, e trabalha-te, a fim de que teu amanhã se apresente menos tenebroso.
Hoje colhes, enquanto fruis o ensejo de ensementar.
Busca ser útil a alguém, mesmo que, aparentemente, nenhum objeto se te delineie de imediato.
Sempre há oportunidade, quando se deseja crescer e desenvolver valores latentes.
Jesus informou que Ele é vida e vida em abundância.
Recorre-lhe à ajuda, e deixa-te curar pela sua assistência de Psicoterapeuta por excelência.

Joanna de Ângelis & Divaldo Pereira Franco

Em Busca da Felicidade - Sergito S. Cavalcanti

Vivemos em meio a muitas dificuldades. Aflições, dores e amarguras nos cercam por todos os lados. Dores físicas e morais nos assolam constantemente. Todos sofrem neste mundo de provas e expiações. O sofrimento é consequência da atitude mental e aflitiva que adotamos frente aos problemas que nos atingem. Se soubéssemos que a maioria das nossas doenças advém desses estados mentais mórbidos e pessimistas, tentaríamos uma mudança de atitude.
Se, ao invés de culpar nossos pais, parentes ou amigos por nossas dores e problemas, nos conscientizássemos de que somos nós mesmos os grandes culpados por tudo que nos acontece, certamente estaríamos melhores.
O certo é que somos os comandantes de nossas vidas e ninguém pode nos fazer infelizes sem o nosso consentimento. Temos em mãos o comando de nossas vidas, de nossos atos e atitudes. Se quisermos podemos mudar o destino mudando nossa vida e nossa maneira de pensar. As circunstâncias que nos cercam, mesmo as mais ásperas, são a vontade do Criador em nosso Favor.

domingo, 10 de abril de 2016

Vaso de Barro - Emmanuel

Temos, porém, este tesouro em vasos de barros, para que a sublimidade seja da virtude de Deus e não de nós." - Paulo. ( II Coríntios, 4:7.)

Não te furtes a transmitir os dons do Evangelho.
Se caíste, levanta-te e estende as mãos, construindo o melhor.
Se estiveste em erro até ontem, reconsidera o gesto e esclarecendo a quem te ouve a palavra.
Se cansado, recompõe as próprias forças na fé, e prossegue amparando sempre.
Caluniado, perdoa e esquece o golpe, procurando servir.
Menosprezado, não firas ninguém e esforça-te por ser útil.
Perseguido, esquece o mal e faze o bem que possas.
Insultado, olvida toda ofensa e auxilia sem mágoa.
Em meio de todas as fraquezas e vicissitudes que nos rodeiam a alma, estejamos convictos com o apóstolo Paulo de que possuímos o conhecimento da verdade e a flama do amor, como quem transporta um tesouro em vasos de barro, para que a excelência da virtude resplandeça por luz de Deus e não nossa.

Francisco C. Xavier & Emmanuel

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Cultive a Prudência - Marco Prisco

Não diga: “Desta água não beberei!”
- O amanhã é incerto.
Não afirme: “Tudo fiz e nada consegui!”
- Tente de novo; há sempre um recurso que não foi usado.
Não informe: “Não posso mais; desistirei!”
- Você ignora seus recursos; sempre há possibilidades latentes, esperando movimentação.
Não imponha: ”Eu quero!”
- Nem tudo que você quer pode ser como você quer e, mesmo que seja possível, nem sempre deve ser como você deseja.
Não fale: “Ingrato! Abandonou-me.”
- Sua aparente solidão é ensejo evolutivo para a sua alma; o amor de nosso Pai não esquece ninguém.
Estenda o amor a todos, cultivando paciência.
Recorde Jesus: era Rei e fez-se vassalo.
Morrendo por amor a todas as criaturas, ainda as chama e as espera.
Não diga, pois: “Não posso mais!”
Jesus é o caminho... Siga-o e atingirá, ao fim de todas as lutas, o porto feliz de sua destinação.

Marco Prisco / Médium Divaldo Pereira Franco
Livro: Glossário Espírita Cristão (extrato) - Ed. LEAL

Vida Feliz - Joanna de Ângelis


Acalma os anseios de mudanças constantes.
Deus te colocou no melhor lugar para o teu progresso moral e espiritual.
O lar que tens, o trabalho em que te encontras, a cidade onde resides são oportunidades de treinamento para a tua evolução.
"Pedra que rola não cria limo" - afirma o brocado popular.
Quem sempre está de mudança não amadurece, nem realiza bem coisa alguma.
Cumpre a tarefa onde estejas, e, no momento próprio, após acurada meditação, toma o teu rumo definitivo.

Joanna de Ângelis. Psicografia de Divaldo Pereira Franco

Impedimentos - Emmanuel

“Deixemos todo impedimento e pecado que tão de perto nos rodeiam e corramos com perseverança à carreira que nos está proposta.” – Paulo. (Hebreus, 12:1.)

O grande apóstolo da gentilidade figura o trabalho cristão como sendo uma carreira da alma, no estádio largo da vida.
Paulo, naturalmente, em recorrendo a essa imagem, pensava nos jogos gregos de sua época e, sem nos referirmos ao entusiasmo e à emulação benéfica que devem presidir semelhante esforço, recordemos tão-somente o ato inicial dos competidores.
Cada participante do prélio despia a roupagem exterior para disputar a partida com indumentária tão leve quanto possível.
Assim, também, na aquisição de vida eterna, é imprescindível nos desfaçamos da indumentária asfixiante do espírito.
É necessário que o coração se faça leve, alijando todo fardo inútil.
Na claridade da Boa Nova, o discípulo encontra-se à frente do Mestre, investido de obrigações santificantes para com todas as criaturas.
As inibições contra a carreira vitoriosa costumam aparecer todos os dias. Temo-las, com freqüência, nos mais insignificantes passos do caminho.
A cada hora surge o impedimento inesperado.
É o parente frio e incompreensivo.
A secura dos corações ao redor de nós.
O companheiro que desertou.
A mulher que desapareceu, perseguindo objetivos inferiores.
O amigo que se iludiu nas ilhas de repouso, deliberando atrasar a jornada.
O cooperador que a morte levou consigo.
O ódio gratuito.
A indiferença aos apelos do bem.
A perseguição da maldade.
A tormenta da discórdia.
A Boa Nova, porém, oferece ao cristão a conquista da glória divina.
Se quisermos alcançar a meta, ponhamos de lado todo impedimento e corramos, com perseverança, na prova de amor e luz que nos está proposta.

Emmanuel / Francisco Cândido Xavier

O Que Queres - Bezerra de Menezes

Se queres um ambiente melhor para o teu coração, não te frustres em trabalhar para a tua própria paz.
Esforça-te e trabalha, ampara e vigia, compreende e avança, ama e segue, que o Cristo não encontra dificuldades em te ajudar.
Compreende, pois, que há necessidade da conquista individual, sem que falte o primeiro passo: a bênção de Deus. Estamos, como sabes, à disposição do Pai Celestial. Estamos na fase de duras provas e expiações, que devem ser aceitas e as lições assimiladas.
O mundo espiritual nunca se cansa de operar em favor das criaturas. Se queres libertar-te das más conseqüências, não cruzes os braços diante de tanto chamado. Não deixes de operar em todas as direções, de modo que, se já dormiste tanto, deves fermentar os teus valores nas mesmas proporções.
Acorda agora, desperta e anda, que o Cristo de Deus se encontra com os braços abertos como a te dizer: “Desprende-te de tudo o que tens, das coisas transitórias, e segue-me, que terás comigo no reino dos Céus um tesouro eterno, dentro e fora da consciência...”
Homens!... não deixeis que a vossa boca fale somente por falar! Empenhai-vos em viver, porque a vivência é prova de que aprendeste a lição, consolidando a vida no amor e na caridade!
E quereis viver com Deus no coração, deixai, pela harmonia, o vosso coração pulsar no mesmo ritmo do universo. Procurai a alegria cristã, sem esquecerdes o amor!
Procurai o amor, sem esquecerdes a fraternidade, que acende o sol da vida no âmago da alma!.


(De “Páginas Esparsas 2”, de João Nunes Maia)

Agasalho - Emmanuel

O aprendiz buscou o orientador e clamou, agoniado:
- Amigo querido, por que a contradição em que me vejo? Vivia tranquilo,
quando adquiria fé.
Depois de instalar a fé no coração, o sofrimento apareceu em minha vida...
Se acumulei tanta confiança na Divina Providência, qual a razão pela qual
tantas tribulações me acompanham?
Momentos surgem, nos quais me sinto em doloroso desespero.
Por que tamanho contrassenso?
O interpelado, entretanto, respondeu sem hesitar:
- Filho, não te revoltes. A Lei do Senhor é justiça e misericórdia.
O Pai Todo-Sábio não podia livrar-te da provação, mas não podes negar que a
Infinita Bondade te amparou com o apoio oportuno, a fim de que atravesses as
tempestades de hoje com o agasalho preciso...

Livro: Caminhos - Francisco Cândido Xavier / Emmanuel

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Sintonia e Equilíbrio - João Cleófas

A atividade que nos reúne, exige a sintonia que nos faculte penetrar melhor nos altos arcanos da vida. Sintonia que não pode ser improvisada, mas é resultado natural de um treinamento e de uma conduta que se exteriorizam através de uma atitude mental propiciatória ao intercâmbio com os Espíritos.
Por isto mesmo, o nosso labor caracteriza-se pelo esforço empreendido na realização da enfermagem, sem a presunção de mudar a estrutura comportamental dos padecentes que nos são trazidos.
Recursos de emergência são aplicados através da nossa compreensão e do nosso amor pelas suas dores.
Nem usemos a palavra indiferente, repetida com monotonia, sem a vibração de quem participa da trama do problema, nem a exposição demorada de informes que a mente aturdida não tem capacidade de registrar.
Procuremos, médiuns de incorporação e doutrinadores, penetrar-nos do espírito da caridade e será fácil nosso cometimento.
Peçamos a Jesus que nos conduza, inspirando-nos.

Livro: “Intercâmbio mediúnico”, de Divaldo Pereira Franco, pelo Espírito João Cleófas

Palavras aos Companheiros - Emmanuel

Meu amigo.

Aprende a semear a luz no solo dos corações, conduzindo o arado milagroso do amor, para que as sombras da ignorância abandonem a Terra para sempre.
Quando o pântano e o espinheiro te ameaçarem a marcha, quando a pedrada infeliz da discórdia ou o golpe imprevisto da incompreensão te ferirem o devotamento, usa a bondade que Jesus te concedeu e avança, trabalhando.
Alguém projetou o fel da calúnia sobre o teu nome?
Esquece e caminha.
Muitas vezes, o coração do amigo é ainda frágil e cede ao primeiro impulso da arrasadora ventania do mal.
Alguém escarnece o teu esforço?
Despreocupa-te e age fraternalmente.
Não é possível improvisar em alguns minutos o entendimento justo com respeito às realizações respeitáveis que nos felicitam o espírito.
Alguém começou a cooperar contigo e desertou da sementeira?
Silencia e adianta-te.
Nem todos sabem perseverar no sacrifício pessoal pela vitória do bem, dia a dia, na esteira dos anos incessantes.
Alguém te menoscaba a tarefa, subestimando-te o desinteresse pelas posses humanas e o carinho pela divina revelação?
Olvida e segue.
É preciso aprender a sofrer com a luta terrestre para reconhecer o conteúdo de ilusão que transborda das fantasias da carne que passa breve.
Alguém te acusa gratuitamente?
Perdoa e movimenta-te na direção do porvir.
Há muito ódio, muita discórdia, envenenando as almas, e a maldade lança trevas, sobre a fronte dos melhores colaboradores do progresso.
Em todas as aflições da romagem, se souberes ver, enxergarás a ignorância oprimindo, vergastando, destruindo.
É necessário acender a lâmpada sublime da piedade, avançando sempre.
Observa o chão lodacento e inculto, provocando a inquietação e o pavor, quando observado precipício a dentro...
Mas se arremessares a semente pequenina no leito tenebroso, em breve, a terra endurecida nua se cobrirá de verdura e perfume, flores e frutos.
Assim é o campo humano.
Em toda parte há erosão da penúria espiritual e charcos de dor.
Não te detenhas, porém.
Lança a tua semente de fraternidade e sabedoria, auxílio e compreensão e a ignorância cederá terreno ao teu ideal de ajudar e servir, multiplicando-se as bênçãos de tua lavoura de amor, em benefício da Humanidade inteira.

Livro: “Instrumentos do Tempo” - Francisco Cândido Xavier / Espírito Emmanuel

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Livre Escolha - Joanna de Ângelis


Dentre as concessões de Deus ao Espírito em evolução, destaca-se o livre-arbítrio, que é a faculdade de escolha.
Graças a essa concessão, passo a passo o ser delineia e executa a marcha ascensional.
Senhor da responsabilidade, escolhe a conduta e entrega-se à ação com a liberdade que a Vida concede.
És, pois, o que escolhes. Teus atos, tua vida.
Mente e vida são termos da realidade.
Podes escolher ser livre e banhado de luz, ou escravo envolto em sombras.
Tens o direito de viver com saúde ou doente. A saúde é o teu estado interior e a doença um processo depurador.
Se te manténs atuante e otimista, vives saudavelmente, mesmo quando portador de alguma limitação, deficiência ou doença.
Se te apresentas insatisfeito, rebelde, depressivo, encontras-te enfermo, apesar da harmonia orgânica.
Sê tu, portanto, quem opta pelo bom, pelo belo, pelo nobre e pelo que felicita.

Livro: Fonte de Luz – Joanna de Ângelis / Médium Divaldo Pereira Franco

Pelo Lado Melhor - Emmanuel

Para que a paz te abençoe a vida, abre as portas íntimas do entendimento a fim de que a misericórdia se te instale no coração.
Ninguém nega o mérito da crítica construtiva, nascida nos mananciais da Justiça, contudo, quanto puderes, deixa que a compreensão nascida do Amor te presida as manifestações.
Conquanto estejamos todos submetidos aos princípios de causa e efeito, não olvidemos que Deus é Amor, concedendo-nos os recursos de que careçamos para a integração com as Leis Universais que nos farão felizes para sempre.
Para que a misericórdia te ilumine os sentimentos, considera os nossos irmãos, em Humanidade, pelo lado melhor em que estimariam estar agindo.
Esse companheiro abandonou as tarefas que lhe competiam na seara do bem, no entanto, provavelmente, adotou essa medida, não por espírito de infidelidade aos compromissos assumidos e sim por lhe ter faltado a precisa resistência.
Outro que entrou na sombra da delinquência, não terá falhado porque a crueldade lhe dominasse o espírito, mas por não haver conseguido ainda senhorear a própria natureza, suscetível de queda, nas tramas da obsessão.
Aquele outro que desertou das obrigações domésticas, não haverá fugido aos próprios deveres por falta de amor aos familiares e sim por lhe esmorecerem as forças, no trato com as responsabilidades da vida.
Outro ainda deslanchou para esse ou aquele hábito infeliz, não porque assim o desejasse, mas temendo resvalar na criminalidade a que se sentia impelido pela insistência de longas tentações.
Deixa que a misericórdia te auxilie em todas as ocorrências, a fim de que possas tudo interpretar pelo lado melhor das pessoas e situações do caminho, de modo a que o lado melhor de teus problemas próprios sejam também visto.
Lembremo-nos de que Deus nos governa a cada um pelas forças da Justiça, mas nos compreende e espera a todos com o Infinito Amor; de nossa parte, uns diante dos outros, saibamos igualmente compreender e esperar.

Livro: “Calma”, de Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Emmanuel

domingo, 3 de abril de 2016

Inverno - Emmanuel

“Procura vir antes do inverno.” – Paulo. (II Timóteo, 4:21.)

Claro que a análise comum deste versículo revelará a prudente recomendação de Paulo de Tarso para que Timóteo não se arriscasse a viajar na estação do frio forte.
Na época recuada da epístola, o inverno não oferecia facilidades à navegação.
É possível, porém, avançar mais longe, além da letra e acima do problema circunstancial de lugar e tempo.
Mobilizemos nossa interpretação espiritual.
Quantas almas apenas se recordam da necessidade do encontro com os emissários do Divino Mestre por ocasião do inverno rigoroso do sofrimento? quantas se lembram do Salvador somente em hora de neblina espessa, de tempestade ameaçadora, de gelo pesado e compacto sobre o coração?
Em momentos assim, o barco da esperança costuma navegar sem rumo, ao sabor das ondas revoltas.
Os nevoeiros ocultam a meta, e tudo, em torno do viajante da vida, tende à desordem ou à desorientação.
É indispensável procurar o Amigo Celeste ou aqueles que já se ligaram, definitivamente, ao seu amor, antes dos períodos angustiosos, para que nos instalemos em refúgios de paz e segurança.
A disciplina, em tempo de fartura e liberdade, é distinção nas criaturas que a seguem; mas a contenção que nos é imposta, na escassez ou na dificuldade, converte-se em martírio.
O aprendiz leal do Cristo não deve marchar no mundo ao sabor de caprichos satisfeitos e, sim, na pauta da temperança e da compreensão.
O inverno é imprescindível e útil, como período de prova benéfica e renovação
necessária. Procura, todavia, o encontro de tua experiência com Jesus, antes dele.

Obra: Vinha de Luz
Emmanuel / Francisco Cândido Xavier

Pondera Sempre - Emmanuel

“E o que de mim, diante de muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem a outros.” — Paulo. (2ª Epístola a Timóteo, Capítulo 2, Versículo 2.)

Os discípulos do Evangelho, no Espiritismo cristão, muitas vezes evidenciam insofreável entusiasmo, ansiosos de estender a fé renovada, contagiosa e ardente. No entanto, semelhante movimentação mental exige grande cuidado, não só porque assombro e admiração não significam elevação interior, como também porque é indispensável conhecer a qualidade do terreno espiritual a que se vai transmitir o poder do conhecimento.
Claro que não nos reportamos aqui ao ato de semeadura geral da verdade reveladora, nem à manifestação da bondade fraterna, que traduzem nossas obrigações naturais na ação do bem.
Encarecemos, sim, a necessidade de cada irmão governar o patrimônio de dádivas espirituais recebidas do plano superior, a fim de não relegar valores celestes ao menosprezo da maldade e da ignorância.
Distribuamos a luz do amor com os nossos companheiros de jornada; todavia, defendamos o nosso íntimo santuário contra as arremetidas das trevas.
Lembremo-nos de que o próprio Mestre reservava lições diferentes para as massas populares e para a pequena comunidade dos aprendizes; não se fez acompanhar por todos os discípulos na transfiguração do Tabor; na última ceia, aguarda a ausência de Judas para comentar as angústias que sobreviriam.
É necessário atentarmos para essas atitudes do Cristo, compreendendo que nem tudo está destinado a todos. Os espíritos enobrecidos que se comunicam na esfera carnal adotam sempre o critério seletivo, buscando criaturas idôneas e fiéis, habilitadas a ensinar aos outros. Se eles, que já podem identificar os problemas com a visão iluminada, agem com prudência, nesse sentido, como não deverá vigiar o discípulo que apenas dispõe dos olhos corporais? Trabalhemos em benefício de todos, estendamos os laços fraternais, compreendendo, porém, que cada criatura tem o seu degrau na infinita escala da vida.

Obra: Pão Nosso
Emmanuel / Francisco cândido Xavier

Desculpa - Emmanuel

"Jesus lhe disse: Não te digo até sete, mas até setenta vezes sete" (Mateus, 18:22.)

Atende ao dever da desculpa infatigável diante de todas as vítimas do mal
para que a vitória do bem não se faça tardia.
Decerto que o mal contará com os empreiteiros que a Lei do Senhor julgará no momento oportuno,
entretanto, em nossa feição de criaturas igualmente imperfeitas
suscetíveis de acolher-lhe a influência, vale perdoar sem condição e sem preço,
para que o poder de semelhantes intérpretes da sombra se reduza até a integral extinção.
Recorda que acima da crueldade encontramos, junto de nós a ignorância e o infortúnio
que nos cabe socorrer cada dia.
Quem poderá, com os olhos do corpo físico, medir a extensão da treva sobre as mãos
que se envolvem no espinheiral do crime?
Quem, na sombra terrestre, distinguirá toda a percentagem de dor e necessidade
que produz o desespero e a revolta.
Dispõe-te a desculpar hoje, infinitamente, para que amanhã sejas também desculpado."

Emmanuel
do livro "Ceifa de Luz"
Psicografia de: Francisco Cândido Xavier


A Alegria - Rosângela

A alegria começa no indivíduo, no momento em que ele se põe ansioso por propiciar felicidade aos outros.
Não se pode esquecer que, na memorável quão iluminativa expressão do Santo de Assis, é no ato de ofertar que o homem recebe, indubitavelmente.
Entretanto, o conceito de oferenda toma nova forma com Jesus e com a mensagem do Seu Evangelho, de vez que na doação de elementos passageiros, ajuntam-se as energias, as vibrações indestrutíveis oferecidas pela alma, na externalização do júbilo espiritual.
No pão que sacia a fome, quanto no amplexo que aproxima, eis a alegria.
Na dose de remédio como na vestimenta que agasalha, temos a alegria.
No carinho com que se cativa ou firmeza com que se orienta e corrige, vemos a alegria.
Alegria é franca exposição do amor de Deus, que se apresenta por meio dos filhos que se dispõem à oferta de si mesmos, como alguém que anela por ser como o óleo na lanterna que clareará o porvir, ou como o fermento de bênçãos a levedar a massa dos corações, na estrada da vida.
Você que afirma estar em busca de amor, engaje-se nele e doe alegria.


Livro: Rosângela - Psicografia de J. Raul Teixeira / Espírito Rosângela

sábado, 2 de abril de 2016

Isso é da Lei de Deus - Emmanuel

Tolera, construindo
Todo o bem que puderes
Não exija dos outros
Dons que ainda te faltam.
Erros nos companheiros
Poderiam ser nossos.
Aceita as provações
Por exames de fé.
Trarás contigo a paz
Que fizeres nos outros.
Temos sempre o que damos.
Isso é a lei de Deus.

Emmanuel / Francisco cândido Xavier

Pensamentos de Hammed


“... É mais produtivo para a evolução das almas
acreditar naquilo que se sente do que nas palavras que se ouvem.”
Trecho do "Livro das Dores da Alma"
Hammed


“Somos nós mesmos que nos iludimos, por querer que as criaturas deem o que não podem e que ajam como imaginamos que devam agir"
Hammed


“O despertar da religiosidade proporciona a paz de espírito. Paciência é um estado de alma em que a criatura não é atingida pelas inquietações ou irritabilidades, visto que se libertou do desassossego e da agitação do ego.”
Hammed



“Viver uma vida sem reflexão é como escutar uma música sem melodia.”
Hammed


“Somente seremos felizes quando conseguirmos entender a nossa primordial missão terrena: fomos criados para amar e ser amados. Pode ser que, em muitas ocasiões, não possamos escolher as situações e ocorrências externas de nossas vidas, mas com certeza sempre poderemos optar pela única maneira sensata de enfrentá-las com amor.”
Hammed

No Júbilo de Servir - Emmanuel

“Depois de haverdes feito quanto vos foi ordenado, dizei: somos servos inúteis, fizemos o que devíamos fazer”. Jesus (Lucas, 17:10)

Guarda tua alma no júbilo de servir.
Não reclames honrarias, por mais alto te pareça o triunfo em tuas mãos.
Se a terra se julgasse dona da árvore que frutifica na sua crosta, intentando negar-lhe arrimo, não faria mais que privar-se da proteção que o vegetal lhe dispensa, e se a árvore se presumisse proprietária da terra que a suporta, nada mais conseguiria que a eliminação de si mesma. Atenta, porém, à seiva e ao equilíbrio que a Sabedoria Divina lhe assegura entra em abençoada cooperação e produz a bênção da colheita.
Todos os bens da vida fluem da Bondade de Nosso Pai.
Nas tuas horas de êxito medita nas forças conjugadas que te sustentam. Pensa nos que te beneficiam e te instruem, nos que te amparam e te garantem.
Orgulhar-se das boas obras é ensombrar a própria visão, invocando homenagens indébitas que, de direito, pertencem a Deus.
À maneira do instrumento leal e dócil deixa que o Sumo Bem te use a vida.
O violino, ainda mesmo o de mais rara fabricação, não vale por si, Engrandece-se, porém, na fidelidade com que se rende às mãos do artista que o integra na exaltação da Harmonia Eterna.

Livro: “Segue~me!...”, de Francisco Cândido Xavier / Espírito Emmanuel

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Vida Feliz - Joanna de Ângelis


Quem guarda rancor, coleciona lixo moral, e, consequentemente, termina enfermando.
O mal que te façam, não deve merecer o teu sacrifício.
Se alguém deseja ver-te infeliz, age de forma contrária, vivendo com alegria.
Se outrem planeja perturbar-te, insiste na posição de harmonia.
Se aquele que se tornou teu adversário trabalha pela tua desdita, continua em paz.
Para quem procura infelicitar os outros, a maior dor é vê-los imperturbáveis.
Sê inteligente e não te desgastes à toa.

De “Vida Feliz”, de Divaldo Pereira Franco, pelo Espírito Joanna de Ângelis

Hoje e Nós - Emmanuel

Tempo é capital inesgotável ao nosso dispor.
Para sábios e ignorantes, felizes ou menos felizes, a hora se constitui de sessenta minutos.
Hoje é a parcela do crédito que possuis, em condomínio com todos aqueles que conheces e desconheces, que estimas ou desestimas.
Aproveita o agora em renovação e promoção.
Renovação é progresso, promoção é serviço.
Não te prendas ao passado pelo que te apresenta de sombras, e nem te transformes pelo futuro pelo que encerre de fantasia ou de incertezas.
Espíritos eternos, saibamos construir a nossa própria felicidade pelo atendimento às leis de amor e justiça.
Devemos, portanto, esquecer o mal e fazer o bem, estudar e realizar, trabalhar e servir, renovar e aperfeiçoar sempre e infatigavelmente.
Para isso reflitamos: o ontem ter-nos-á trazido a luz da experiência, e o amanhã decerto que nos sugere luminosa esperança.
A melhor oportunidade, entretanto, não se chama ontem nem amanhã. Chama-se hoje.
Hoje é o dia.

Livro: Estude e Viva - Emmanuel / Médium Francisco Cândido Xavier

O Preço da Melhora - Bezerra de Menezes

Tudo tem um preço, no comércio e no convívio com a própria vida.
Se queremos subir, certamente haverá de aparecer o esforço.
O conhecimento da verdade requer trabalho, operação em todos os sentidos.
No campo íntimo, o exercício é mais difícil no que tange à felicidade, e se o que se faz por dentro reflete o que vai por fora, é necessário que tenhamos boa vontade nessa caridade, de aproveitamento.
Se queres avançar na grandeza divina, se estás preparado, passa a esforçar-te no campo da mente e da alegria, e que essa alegria cresça, dando segurança para quem se esforçar.
Compreendemos que Deus deu início à vida gerando esforços e criando-a, e essa vida carrega consigo a força de co-criar a sua própria felicidade.
Não deixes para amanhã o que podes começar hoje mesmo.
Esforça-te todos os dias, conquistando o bem-estar na paz, no entendimento, no amor, no perdão e assim, sucessivamente, porque quem já tem paz no coração conquistou-a pelo preço do trabalho na luz de Deus, refletida no Cristo. Jesus veio nos ensinar os meios, senão todos os métodos, de compreender a nós mesmos e entender as leis naturais do Criador.


Livro: “Páginas Esparsas 2”, de João Nunes Maia / Espírito Bezerra de Menezes
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...