sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Na Escola da Vida - Emmanuel

1ª Parte, Capítulo. VII, Paragrafo. 23, de O Céu e o Inferno, de Allan Kardec.

De alma confrangida, observas os semelhantes, considerados na Terra em faltas e culpas maiores que as tuas.
De muitos deles, tens notícias que assombram, e sabes de outros muitos positivamente estirados na delinquência.
Agitam-se alguns, por ignorância, sob as tenazes do crime.
Vários conhecem que amargas consequências recolherão, mais tarde, e, apesar disso, rendem-se, inermes, às garras da tentação.
Declararam-se outros adeptos da virtude e rolam na crueldade.
E outros, ainda, que te animavam a fé, permanecem na retaguarda, entregues ao desespero...
Junto deles, há quem diga: “são almas empedernidas”.
E há quem reforce: “são feras em forma humana”.
Entretanto, ainda mesmo te arroles entre as vítimas, carregando o peito dilacerado, não ergas a voz para persegui-los. Estão marcados em si mesmos pelo remorso que trazem no seio.
Não é necessário que te aproximes com vergastas para zurzir-lhes a carne. Além de sitiados na dor do arrependimento, quase sempre transitam em cárceres de amargura ou respiram exilados do carinho doméstico, sorvendo lágrimas de aflição.
Em lugar de fel e desprezo, dá-lhes amor e esperança, a fim de que despertem a vontade entorpecida para o campo do bem.
Diante de todos eles, nossos irmãos enganados na sombra, abençoa e ora... E, se te agridem, desvairados e inconscientes, abençoa e ora de novo, na certeza de que Deus a ninguém abandona e, ainda mesmo para os filhos mais depravados, providenciará reajuste, através da reencarnação, que é a escola da vida, a levantar-se, divina, do bendito colo de mãe.


Livro: “Justiça Divina”, de Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Emmanuel

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...